Esperança

A paisagem da esperança é repleta de flores de todo tipo; exalam um perfume diferente, com cheiro de amanhã. Os caminhos que se formam por entre os campos são sinuosos, mas são curvas que desenham e enfeitam o que está a olhar. À medida que vai se adentrando pela vereda do destino, novas curvas vão surgindo, novos horizontes vão se descobrindo.

Ainda que pareça determinada, a paisagem da esperança não se encontra no mapa, nem há direção certa por onde começar. Ela impulsiona o ser a não querer parar. Ela está na plataforma da alma, pura e singular; é só buscar a passagem no guichê da ansiedade de querer conquistar!

E na bagagem vão todos os sonhos, desejos que insistem em ficar. No trajeto, a paisagem da memória, deixando para trás momentos, encontrando novos, surpreendendo-se com as tempestades, encantando-se com o azul do céu da alegria, e sentir que valeu, vale e que sempre valerá a pena continuar.

2 comentários em “Esperança

  1. Ei Tulius!
    O seu texto me fez pensar na esperança do saber esperar… Esperar dias melhores, um país mais digno para todos os brasileiros.
    Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *