O Bullying Existe

Esta semana é considerada a semana nacional de combate ao bullying, já que o dia 07 de abril é o Dia Nacional de Combate à Agressão Sistematizada, conhecida como o Bullying. O termo surgiu na década de 80, nos Estados Unidos e tem origem na palavra bully=valentão. Até pouco tempo atrás, na nossa época de estudante, situações como a do Bullying eram denominadas ora agressão, ora “zoação”, o que demonstra que o termo é novo, mas a situação de agressão é velha. Além disso, é importante deixar claro que todo Bullying é agressão, mas nem toda agressão é Bullying.

Em virtude de vários casos e más consequências, no ano de 2016, uma Lei foi aprovada, no intuito de obrigar as escolas a lidarem de maneira mais efetiva com a situação, por isso atualmente o problema vem sendo discutido com mais leveza pela comunidade escolar e pelas famílias. É inegável o quanto ficou difícil combater o bullying em uma estrutura socioeconômica como a nossa, na qual há o encorajamento da disfunção de valores. Isso acontece porque muitas vezes a escola é responsabilizada sozinha por todos os casos, mas vale lembrar que alguns começam dentro do contexto escolar, e são sanados. Outros começam fora do contexto escolar, e assiduamente veem para a escola, só que nós geralmente não estamos sabendo o que aconteceu lá fora.

Apesar de muitos acreditarem que o Bullying no contexto escolar é uma vertente da indisciplina, isso é uma ideia totalmente equivocada, uma vez que comprovadamente o bullying acontece em 100% das escolas do mundo, independente se são públicas ou particulares. E sabe por quê? É na escola que o educando convive com a maior diversidade cultural, assim a intolerância com o diferente e os valores sociais invertidos resultam na prática da agressão sistematizada.

Outro fator de grande relevância a ser pensado é o fato de a escola ser apenas um dos contextos que preenche a corpo social da criança e do adolescente. Podemos citar, por exemplo, algumas práticas que corroboram com a violência que vem de fora para dentro, são muito comuns e acabam se tornando naturais, como por exemplo a exclusão deste ou daquele coleguinha nos momentos de lazer, ou mesmo a fala dos pais para que os filhos se afastem de um colega porque ele não é visto como uma boa companhia. Afinal, o exemplo é o melhor aprendizado, e os nossos filhos aprendem com o que damos a eles de exemplo.  Pensem nas crianças que vão ser excluídas! Parece banal e inofensivo à primeira vista, contudo é uma atitude que ensina nossos filhos a excluírem os outros, seja lá por qual pretexto ou motivo. Alguns pais podem pensar que estou sendo exagerada, que é só uma questão de afinidade. Mas, não!

Para esclarecer, existem tipos de bullying diferentes, entre eles, com avanço tecnológico, destaca-se o cyberbullying, por isso não podemos reconhecer apenas a violência física como bullying, e mais ainda, só conseguiremos debater e combater a prática violenta, se reconhecermos que ela existe. Sobretudo porque tanto as vítimas quanto os agressores precisam de ajuda.

Com o intuito de conhecermos um pouco mais sobre o problema, e criarmos estratégias de ação, assim como parcerias, sugiro a leitura da Lei, bem como das obras da pesquisadora brasileira, Cléo Fante, que estuda o fenômeno desde 2000.

Lei: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13185.htm

FANTE, C. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. Campinas: Verus editora, 2005.

FANTE, C. Bullying escolar. Campinas: Verus editora, 2005.

Formação socioemocional dos nossos filhos

“Rio só existe porque tem margem.

A criança só será um adulto completo se tiver limites.

Criança tem que ser monitorada.

Mãe tem que ser chata.

Filho só pode ver aquilo que é próprio para a idade dele.

Filho não pode ver aquilo que está além da sua capacidade de compreensão.

Tome a frente das regras da sua casa.

Criança não dorme com celular no quarto. Recolha. Vigie.

Criança tem que dormir com tranquilidade.

Quarto não tem que ter televisão. Quarto é para dormir.

Não compare a casa do outro com a sua.

Na sua casa você tem que cuidar da integridade mental dos seus filhos.

Criança não fica trancada no quarto jogando.

Filho tem que ‘socializar’, tem que ver, estar com pessoas. Corpo a corpo. Olho no olho.

Criança que é rejeitada por outros tem uma tendência a buscar redes sociais. Cuidado. Isso pode causar dependência.

Precisamos ter a coragem de olhar para a vida dos nossos filhos.

As coisas acontecem debaixo dos nossos olhos.

Criança é esperta, mas temos que ser mais ainda. Pai e mãe têm que estar perto.

Criança não tem que ter senha.

Essa tal de privacidade é só quando eles saem de casa, só quando pagam as próprias contas.

O celular do filho não pode ser igual ao do pai.

Tem que haver hierarquia.

Cada mãe conhece o filho que tem. Mãe, no fundo, sabe o que está acontecendo com o filho. Não ignore suas sensações como mãe.

Elas são verdadeiras.

A mãe não erra o diagnóstico. Confie nos seus sentimentos de mãe.

A missão como pais é muito maior do que podemos imaginar.

E não é uma missão fácil.

Mais do que dar coisas, se dêem a seus filhos.

Questione seus filhos. Pergunte! Vigie! Investigue!

Existem muitos e muitos distúrbios psiquiátricos na infância.

O segredo da prevenção é família e amor.

Criança tem que ser amada.

Filho vai tentar se impor. Mas ‘combinados’ e regras devem existir.

Tem que haver respeito.

Tem que haver hierarquia.

Filho tem que desejar!

Tem que querer ganhar alguma coisa!

Tem que esperar ansiosamente pelo presente.

As coisas não são descartáveis.

Coloque na vida do seu filho que somos criadores, que vamos criá-los e que temos sonhos para eles.

Que a vida tem que ter sentido, além do dinheiro, do poder e de todas as possibilidades.

Que a vida os desafiará, mas a vida não encerra.

Cuidado!

O que os filhos trazem para o mundo é o que plantamos neles.

Estimule-os a serem verdadeiros. A verdade abre caminhos.

Converse. Incansavelmente.

Temos que nutrir a confiança.

Olhe para os seus filhos e entenda o que eles precisam.

(Extratos da palestra da Dra. Filó, pediatra em BH.)

Os filhos do quarto

Neste momento de consternação e tristeza sobre os fatos ocorridos na escola Raul Brasil (Suzano-SP), uma pausa para uma reflexão faz-se necessária. Precisamos conversar, ouvir, acolher, colocar limites, observar, assegurar nosso amor. Sim, temos muito trabalho para educarmos nossos filhos, mas não podemos abdicar da nossa função formadora. O Colégio ICJ está junto a cada um de vocês, nesta parceria.

Níblia Soares Moreira

Orientadora Educacional

 

OS FILHOS DO QUARTO

“Antes perdíamos filhos nos rios, nos matos, nos mares, hoje temos perdido eles dentro do quarto!

Quando brincavam nos quintais ouvíamos suas vozes, escutávamos suas fantasias e ao ouvi-los, mesmo à distância, sabíamos o que se passava em suas mentes.

Quando entravam em casa não existia uma TV em cada quarto, nem dispositivos eletrônicos em suas mãos.

Hoje não escutamos suas vozes, não ouvimos seus pensamentos e fantasias, as crianças estão ali, dentro de seus quartos, e por isso pensamos estarem em segurança.

Quanta imaturidade a nossa.

Agora ficam com seus fones de ouvido, trancados em seus mundos, construindo seus saberes sem que saibamos o que é…

Perdem literalmente a vida, ainda vivos em corpos, mas mortos em seus relacionamentos com seus pais, fechados num mundo global de tanta informação e estímulos, de modismos passageiros, que em nada contribuem para formação de crianças seguras e fortes para tomarem decisões moralmente corretas e de acordo com seus valores familiares.

Dentro de seus quartos perdemos os filhos pois não sabem nem mais quem são ou o que pensam suas famílias, já estão mortos de sua identidade familiar…

Se tornam uma mistura de tudo aquilo pelo qual eles têm sido influenciados e os pais nem sempre sabem o que seus filhos são.

Você hoje pode ler esse texto e amar, mandar para os amigos.

Pode enxergar nele verdades e refletir. Tudo isso será excelente.

Mas como Psicopedagoga tenho visto tantas famílias doentes com filhos mortos dentro do quarto, então faço a você um convite e, por favor aceite!

Convido você a tirar seu filho do quarto, do tablet, do celular, do computador, do fone de ouvido, convido você a comprar jogos de mesa, tabuleiros e ter filhos na sala, ao seu lado por no mínimo dois dias estabelecidos na sua semana à noite (além do sábado e domingo).

E jogue, divirta-se com eles, escute as vozes, as falas, os pensamentos e tenha a grande oportunidades de tê-los vivos, “dando trabalho” e que eles aprendam a viver em família, se sintam pertencentes no lar para que não precisem se aventurar nessas brincadeiras malucas para se sentirem alguém ou terem um pouco de adrenalina que antes tinham com as brincadeiras no quintal!”

(Texto de Cassiana Tardivo)

Uma palavra sobre o dever de casa

Lendo José Saramago, uma passagem me chamou a atenção “A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante se sentou na areia da praia e disse: “Não há mais que ver”, sabia que não era assim. O fim duma viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu lá, ver na Primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para os repetir, e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.” E muito claramente fiz uma analogia com o dever de  casa, a viagem não termina quando sinal soa para os alunos irem para casa, é lá que começa. A nossa ideia é que os alunos vão com interrogações, curiosidades, vontade de desvendar as sementes que plantamos, contudo o dever de casa tem se tornado cada vez mais conflituoso para famílias e escola, no mínimo controverso.

 

Muitas vezes o dever de casa torna-se o principal ponto de conflito entre escola e família, professores e alunos, pais e filhos. É inegável a importância deste instrumento para o desenvolvimento do hábito do estudo e da pesquisa, da disciplina intelectual, além de servir como extensão das atividades escolares. Entre pais e alunos, esse é um assunto bastante comum, pois afeta diretamente suas vidas, seu convívio, seus hábitos e suas rotina.

 

Durante a minha vida profissional e também como mãe, muitas vezes questionei os para casa, e às vezes até de forma incoerente, porque ao mesmo tempo em que reclamava da quantidade de para casa de um professor, queixava do outro que nunca dava para casa. Afinal, qual o objetivo pedagógico do dever? Tem quantidade para ser eficaz? Tem que dar em todas as aulas?

 

É certo que dever de casa é um recurso eficaz no que diz respeito à preparação do aluno para uma sociedade focada em resultados quantitativos e exames classificatórios, mas também contribui em aspectos disciplinares e no estreitamento das relações entre a família e a escola. Enquanto ferramenta pedagógica, a tarefa de casa deveria ser o momento de autonomia para o estudante, no qual ele realizaria a “repetição” ou tornaria o aprendizado “palpável”, sem pressão ou interferência, a fim de levantar as dúvidas, ter certeza se aprendeu e o quanto, de certa forma, é uma avaliação do processo de ensino-aprendizagem.

 

O papel primordial é a autodisciplina,  a habilidade mais difícil de ser trabalhada. Assim, os deveres de casa ensinam o aluno a desenvolver essa competência – que chega acompanhada de outras características como autorresponsabilidade, organização e capacidade de concentração – na prática. Em consequência disso, observamos que os alunos que têm o hábito do para casa e do estudo diário são os de maior facilidade de aprendizado, principalmente aqueles, cujas famílias interviram da maneira adequada, desde a educação infantil.

 

Não raro, tomamos conhecimento, por meio de atendimentos pedagógicos e até no cotidiano familiar dos fatores que levam ao stress em torno das tarefas de casa são muitos: falta de tempo (às vezes um acumulo de tarefas extracurriculares), dificuldade em impor regras e limites, falta de diálogo com a escola, dificuldades de aprendizagem, inadequação das intervenções, falta de material ou infraestrutura em casa, etc. Pensando em todos os aspectos e em pesquisa, podemos orientar as famílias com algumas dicas:

 

  • Crianças de 5 a 8 anos:

Aspectos formais: orientar apresentação, margem, letra, cabeçalho, recorte e uso de cola.

Aspectos de aprendizagem: o momento é de aprender a aprender.

 

  • Crianças de 8 a 10 anos:

Aspectos formais: continuar a monitorar dando independência, ensinar a controlar a agenda. Uma boa dica é montar um horário semanal para o dever e pedir a criança para deixar o caderno/livro com a tarefa para a família revisar e dar o visto à noite.

Aspectos de aprendizagem:

LEITURA/ESCRITA: o momento é de aprender a estudar.

Um caderno de estudo com cinco perguntas, no máximo, sobre os temas estudados.

 

  • Crianças a partir de 10 anos:

Aspectos formais: valorizar a importância da legibilidade da letra e a organização. Usar e abusar de post-its, canetas para grifar textos e pastas organizadoras.

Aspectos de aprendizagem: o momento de aprender as técnicas de estudo, fazer a gestão do tempo e checklists.

Os esquemas ajudam muito, pois os resumos são longos.

Os mapas conceituais também são formas rápidas de obter um estudo de qualidade.

O segredo não é estudar muito e sim estudar sempre.

 

Levando-se em consideração todas as ideias, lembramo-nos de que as viagens precisam de planejamento, rota, recordações, marcas, até de voltas, de explorar o mesmo lugar duas vezes. Por isso, vamos incentivar o para casa, elogiando nos momentos certos, intervindo em outras, separando um lugar adequado com recursos e estímulos certos, ajudando nossos filhos na autonomia, na construção de um aprendizado concreto, e ainda confiando nos professores.

 

A interrupção constante de aula: uma prática prejudicial

As solicitações das famílias de retirarem os filhos nos horários que antecedem ao término estipulado da finalização do turno é uma realidade cada vez mais presente nas escolas brasileiras. O fato é que tal situação ocorre numa rotina ativa a qual acaba por prejudicar o desenvolvimento do aluno e consequentemente a organização do professor.

O docente, por sua vez, no exercício de suas atribuições, norteia-se por meio de um planejamento distribuído por horários nos quais as disciplinas e os conteúdos são desenvolvidos, seguindo um referencial curricular o qual precisa ser cumprido na íntegra para que as inúmeras etapas de ensino-aprendizagem ocorram de forma gradual, significativa, efetiva e processual.

Nesse sentido, respeitar horários, regras e combinados também são habilidades que precisam ser trabalhadas e desenvolvidas no âmbito escolar. Assim, é dever das instituições de ensino orientar aos pais sobre os prejuízos ocasionados pela atitude de chegar atrasado ou sair antes do final da aula. Dentro do possível, a escola deve analisar as demandas e buscar atender às situações que não apresentam uma conotação rotineira, sobretudo por questões de respeito às famílias. Todavia, não podemos esquecer que educar também é respeitar combinados, regras e horários. Portanto, cada caso deve ser estudado e apresentado de forma consciente, sempre pensando no bom desenvolvimento do aluno.  Além disso, o diálogo, a parceria e a confiança entre escola e família são fatores essenciais para a boa convivência.

O problema é que na maioria das vezes, ao orientar ou informar às famílias sobre os prejuízos em atender demandas fora do que é habitual, gera-se insatisfação e falta de compreensão. Conscientizar que todos têm os mesmos direitos e que as regras devem ser cumpridas, sem exceções, não é tarefa fácil, mas vale lembrar que a incisão inesperada de aulas, seja ela por atraso ou por saída antecipada, interrompe a linha de raciocínio, dispersa e atrapalha os colegas, desorganiza a rotina de sala de aula, além de prejudicar o processo de ensino-aprendizagem.

A virada do calendário

Olá, leitores!

Estamos nos “finalmente” de 2018 e agradeço a todos vocês que compartilharam conosco as mensagens do Pense Nisso!

Desejo-lhes um feliz Natal e um 2019 propício à realização de seus sonhos. Acredito que a esperança e a persistência são o caminho para concretização de nossos ideais.

A chegada de um novo ano sempre nos enche de expectativas e ressignificação de nossos projetos. Geralmente fazemos um balanço de tudo o que vivenciamos, o que foi bom ou o que ficou a desejar, e partimos para o planejamento de outras ações rumo ao alcance de nossos futuros objetivos.

O certo é que a virada do calendário anual parece nos mover em busca de um novo tempo, de um desejo imensurável de paz, de benevolência e de mudanças.

O período de dezembro que antecede o Natal é considerado o tempo do Advento. Etimologicamente, o termo significa a vinda ou a chegada Daquele que é a luz do mundo. Daí a renovação de nossas esperanças e da aliança de amor em Cristo no sentido de praticar o bem, a justiça, a caridade, a fraternidade. Assim espero.

Que a trajetória de vida de cada um de nós, no próximo ano, continue a seguir os passos do Criador. E que Ele nos conduza ao renascimento de um mundo melhor.

O novo enfoque da Educação Infantil

O ensino brasileiro tem sofrido relevantes transformações a começar pela Educação Infantil, que atende hoje crianças de zero a cinco anos.

Até pouco tempo, esse nível de escolaridade era visto como um espaço para acolher crianças cujos pais necessitavam trabalhar. Havia nesse contexto uma linha de ação educacional voltada para o desenvolvimento integral da criança, porém não havia uma extensão incluída da LDB (Lei de Diretrizes e Bases).

Com as recentes mudanças relacionadas ao século XXI, a Educação Infantil passou a ser parte integrante da Educação Básica.

Portanto, até os três anos a criança se insere no segmento creche e a partir dos 4 até os 5 anos na pré-escola.

A atual BNCC (Base Nacional Comum Curricular) estabelece para a Educação Infantil os eixos estruturantes das práticas pedagógicas centradas nas interações, nas brincadeiras e no reconhecimento da criança como sujeito histórico e de direitos. Assim sendo, são seis os direitos de aprendizagem e desenvolvimento na Educação Infantil que norteiam a intenção educativa: conviver, brincar, participar, explorar, expressar-se e conhecer-se.

Já a organização desse currículo abrange cinco campos de experiência que se relacionam aos saberes e aos conhecimentos fundamentados a serem vivenciados pelas crianças e mediados pelos educadores.

1 – O eu, o outro é nós: experiências sociais na família, na escola, na coletividade, de outros grupos sociais e culturais.

2 – Corpo, gestos e movimentos: o corpo e seu espaço físico, seus movimentos etc.

3 – Traços,  sons, cores e formas: as diferentes manifestações artísticas,  culturais e científicas, as artes visuais e demais.

4 – Escuta, fala, pensamento e imaginação: situações comunicativas cotidianas, recursos vocais, a escrita como sistema de representação da língua, a leitura, dentre outras.

5 – Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações: diversos espaços, fenômenos naturais, socioculturais, o mundo físico e outros.

Como se vê, o atual currículo da Educação Infantil é um documento que aponta aprendizagens essenciais e indispensáveis a todas as crianças até 5 anos. Uma referência nacional obrigatória para a elaboração das propostas pedagógicas das escolas infantis.

Fonte: A Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br>. Acesso em 20 ago. 2018.

Meias verdades, completas mentiras

Acontecimentos recentes retomaram o tema das fake news nas notícias divulgadas nos meios de comunicação.

Nesse emaranhado de mentiras, um dos principais fatores que contribui para a disseminação das falsas informações é o sensacionalismo.

Caracterizado pelo exagero na cobertura de um acontecimento ou notícia, o sensacionalismo é uma prática que tem a finalidade de aumentar a audiência através de aspectos chocantes e do apelo emotivo que “prendem” o espectador ao fato.

Vale destacar que o uso de assuntos capazes de causar impacto e abalar a opinião pública, sem a devida preocupação com a veracidade, não é algo recente.

Esse artifício ganhou força no século XX, com as mudanças tecnológicas, demográficas e econômicas que alteraram a estrutura da experiência dos indivíduos.

Muitos dos valores consolidados na sociedade foram questionados, pautando, inclusive, a relatividade da moral diante de uma ausência de convicções.

Tal cenário implicou em um mundo mais rápido, caótico, fragmentado e desorientador.

O “bombardeio de estímulos” desse novo ambiente metropolitano promoveu a transformação de um estado de equilíbrio e estabilidade para uma crise de descompostura e choque.

Dessa forma, algumas noções deixaram de ser estritamente racionais e passaram a ser atreladas à sensibilidade em um movimento de estetização da vida.

Um desdobramento desse processo foi a ênfase dada ao espetáculo e à surpresa nas notícias divulgadas, despertando sensações vívidas e intensas.

Em síntese, a ampla escalada do divertimento sensacionalista foi a contrapartida das transformações radicais do espaço, do tempo e da indústria, como um reflexo da nova estrutura da vida diária.

O escritor, jornalista e sociólogo Siegfried Kracauer afirmou, também, que o sensacionalismo foi uma resposta compensatória ao empobrecimento da experiência, com base na superficialidade.

Com o tempo, esse fenômeno potencializou-se, fazendo com que os dias atuais chegassem a ser considerados como a “era da pós-verdade”.

Isso se deve a circunstâncias que fomentam a disseminação de mentiras em duas vias.

Por um lado, a propagação de informações espetacularizadas foi facilitada, muito em função das redes sociais que criaram um ambiente propício para difundir os sensacionalismos.

Por outro, muitos escolhem não acreditar no que é constatado, por simples comodismo ou por se sentirem envaidecidos ao verem circular na mídia e ouvirem na boca do povo aquilo que querem que seja real. Ou seja, os fatos objetivos passam a ter menos influência do que os apelos às emoções e às crenças pessoais.

Contudo, aumentaram-se também as possibilidades de checar tudo o que é divulgado. Então, faça uso desses recursos. Tenha atenção ao que lê e, principalmente, ao que compartilha. Não busque apenas argumentos que confirmem suas ideias; busque fontes alternativas e de confiabilidade consagrada, dados complementares, um real embasamento.

A mentira, ou mesmo os exageros entorno de um fato, podem gerar consequências muito prejudiciais para a coletividade. Não alimente esse ciclo vicioso que assola a credibilidade de pessoas e instituições honestas.

Consciência Nacional Negra

O dia da Consciência Negra, 20 de novembro, é celebrado no Brasil desde 2003. A data foi escolhida em referência ao dia atribuído à morte de Zumbi dos Palmares, líder e principal representante da resistência negra à escravidão, na época do Brasil Colonial. Zumbi lutou muito para preservar a liberdade dos escravos negros que fugiam em busca de uma vida mais digna.

Em algumas cidades do país, esse dia tornou-se feriado, através de decretos municipais e estaduais. Mas o que realmente importa são os objetivos dessa comemoração. A referida data deve ser considerada como um momento de reflexão sobre temas relacionados ao preconceito, à discriminação, à igualdade social, à inclusão dos negros no cenário brasileiro, além das dificuldades que eles passam há séculos. Não podemos nos esquecer de que ao longo da história, os negros africanos foram injustiçados com a migração involuntária para o trabalho escravo em outras terras, entre os séculos XVI e XIX. Passaram por grandes sofrimentos durante a escravidão e ainda hoje têm sofrido com situações inaceitáveis de racismo.

Vale lembrar o líder americano Martin Luther King Jr. em seu discurso pela igualdade racial: “Eu tenho um sonho. O sonho de ver meus filhos julgados por sua personalidade, não pela cor de sua pele”. Esse sonho também é nosso e vem se concretizando em movimentos de denúncia contra qualquer tipo de discriminação. Não vamos nos calar. Valorizar o papel do negro na formação étnica e cultural brasileira é mais que um dever, é um eterno reconhecimento.

O fato é que ao incluir merecidamente essa data no currículo escolar, esperamos que a educação de nossas crianças e jovens esteja pautada na igualdade de direitos entre todas as pessoas. Afinal, somos um só povo na formação da raça humana.

Em quem você se inspira?

Todos nós temos ídolos ou admiramos alguma celebridade. Mas, afinal, você já parou para pensar na origem dessas palavras?

Ídolo: do grego eídolon e do latim idolum, significa imagem que se presta ao culto e adoração. Seu sentido se estendeu do campo religioso para pessoas que, mais do que admiradas, passam a ser consagradas.

Celebridade: do ato de “celebrar”, o termo passa a nomear uma pessoa que, em razão de uma qualidade ou feito, torna-se digna de celebração, reconhecimento.

Os significados acima remetem a um fenômeno contemporâneo que vincula a ideia de ídolo e celebridade a uma espécie de culto fundamentado na admiração e reverência. Contudo, a atração exercida por indivíduos sobre um grande número de seguidores é algo existente desde a Antiguidade.

Isso ocorre porque a concepção aristocrática da liderança sempre promoveu a diferenciação entre o dirigente, que está acima da massa, e a própria massa. Essa diferenciação faz com que o “outro” confirme a existência de lugares diversos ocupados no status quo de uma sociedade.

Nesse contexto, o ídolo traz consigo a distância, provocando um estranhamento enquanto “outro” que fascina e convoca a um processo de idealização. O antropólogo, sociólogo e filósofo Edgar Morin ressalta o quanto o lado divino da estrela atende às necessidades de projeção dos indivíduos ordinários – do seu desejo de ir ao encontro da beleza, da força, da coragem, da perfeição, das crenças.

Ao mesmo tempo, o lado humano, com suas fragilidades, gera a identificação, fazendo com que o público compreenda o sofrimento de seu ídolo, partilhe suas dores, seja solidário nas suas perdas. Ou seja, que os atraia pelo que os assemelha.

Em suma, ainda que faça parte do “nós”, a celebridade se situa para além do “nós”.

Com intuito de explicar a relação emocional e magnética entre a celebridade e os seguidores, Max Weber desenvolveu o conceito de carisma. Sua aplicação estabelece que qualidades especiais ou únicas atribuídas ao indivíduo fazem dele um “profeta” ou um “salvador pessoal”, que desperta paixão e suscita devotos.

Essa lógica, entretanto, vem se alterando com o passar dos anos. O fascínio exercido pelas celebridades, atrelado à crescente demanda de referências por parte do público, promove a constante criação de ídolos.

O Big Brother, no final do século XX, e mesmo a recente visibilidade proporcionada pelas mídias digitais, com as blogueiras, os youtubers e os ilustres desconhecidos em seus cinco minutos de fama nas redes sociais, provaram que todos os homens comuns podem, e muitos querem, ascender à celebridade.

Emerge, assim, a celebridade pluralista. É dentro do ordinário que os candidatos se lançam em busca de destaque, não sendo mais necessário se inscrever num quadro de excepcionalidade para tal.

Isso leva a questionar sobre qual o papel do carisma nesse novo cenário. Com o anseio da visibilidade por ela mesma, o valor da exibição migra dos feitos e obras para o próprio eu. Com isso, tem-se o carisma já não nos indivíduos, mas em coisas sociais que os transcendem, como a imagem deles criadas pela mídia.

Seriam, portanto, “pseudocelebridades”, visto que o carisma agora lhes é emprestado pela indústria cultural, como um carisma simulacro. Em busca da fama, a celebridade contemporânea cria falsas ilusões e manipula os padrões considerados ideais para tentar suprir sua falta de conteúdo.

A reflexão que fica é: temos que redobrar nosso filtro ao absorver o que está sendo pregado pelos ídolos modernos e nos ater ao que as crianças e jovens têm como inspiração nos dias de hoje. Devemos buscar aquilo que efetivamente agregue valor em nossas vidas, tendo cuidado para não mergulharmos em neuroses baseadas em modelos inalcançáveis fomentados pelas celebridades do inútil através dos meios de comunicação.

Referências: “Economia e carisma da indústria cultural” – Eduardo Sintra e “Celebridades do século XXI” – Vera França.