Meias verdades, completas mentiras

Acontecimentos recentes retomaram o tema das fake news nas notícias divulgadas nos meios de comunicação.

Nesse emaranhado de mentiras, um dos principais fatores que contribui para a disseminação das falsas informações é o sensacionalismo.

Caracterizado pelo exagero na cobertura de um acontecimento ou notícia, o sensacionalismo é uma prática que tem a finalidade de aumentar a audiência através de aspectos chocantes e do apelo emotivo que “prendem” o espectador ao fato.

Vale destacar que o uso de assuntos capazes de causar impacto e abalar a opinião pública, sem a devida preocupação com a veracidade, não é algo recente.

Esse artifício ganhou força no século XX, com as mudanças tecnológicas, demográficas e econômicas que alteraram a estrutura da experiência dos indivíduos.

Muitos dos valores consolidados na sociedade foram questionados, pautando, inclusive, a relatividade da moral diante de uma ausência de convicções.

Tal cenário implicou em um mundo mais rápido, caótico, fragmentado e desorientador.

O “bombardeio de estímulos” desse novo ambiente metropolitano promoveu a transformação de um estado de equilíbrio e estabilidade para uma crise de descompostura e choque.

Dessa forma, algumas noções deixaram de ser estritamente racionais e passaram a ser atreladas à sensibilidade em um movimento de estetização da vida.

Um desdobramento desse processo foi a ênfase dada ao espetáculo e à surpresa nas notícias divulgadas, despertando sensações vívidas e intensas.

Em síntese, a ampla escalada do divertimento sensacionalista foi a contrapartida das transformações radicais do espaço, do tempo e da indústria, como um reflexo da nova estrutura da vida diária.

O escritor, jornalista e sociólogo Siegfried Kracauer afirmou, também, que o sensacionalismo foi uma resposta compensatória ao empobrecimento da experiência, com base na superficialidade.

Com o tempo, esse fenômeno potencializou-se, fazendo com que os dias atuais chegassem a ser considerados como a “era da pós-verdade”.

Isso se deve a circunstâncias que fomentam a disseminação de mentiras em duas vias.

Por um lado, a propagação de informações espetacularizadas foi facilitada, muito em função das redes sociais que criaram um ambiente propício para difundir os sensacionalismos.

Por outro, muitos escolhem não acreditar no que é constatado, por simples comodismo ou por se sentirem envaidecidos ao verem circular na mídia e ouvirem na boca do povo aquilo que querem que seja real. Ou seja, os fatos objetivos passam a ter menos influência do que os apelos às emoções e às crenças pessoais.

Contudo, aumentaram-se também as possibilidades de checar tudo o que é divulgado. Então, faça uso desses recursos. Tenha atenção ao que lê e, principalmente, ao que compartilha. Não busque apenas argumentos que confirmem suas ideias; busque fontes alternativas e de confiabilidade consagrada, dados complementares, um real embasamento.

A mentira, ou mesmo os exageros entorno de um fato, podem gerar consequências muito prejudiciais para a coletividade. Não alimente esse ciclo vicioso que assola a credibilidade de pessoas e instituições honestas.

Um comentário em “Meias verdades, completas mentiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *