MINIONU da PUC Minas

Entre os dias 12 e 15 de outubro, aconteceu na PUC Minas, campus Coração Eucarístico, o tradicional MINIONU. O evento, realizado pelo Departamento de Relações Internacionais da PUC, integra o conjunto de simulações das Nações Unidas realizadas em todo mundo e, há quase 20 anos, propõe-se a levar temas internacionais aos alunos do Ensino Médio, instigando-os a propor soluções para problemas que afetam a humanidade.

Após meses de espera e preparação, estudantes de Ensino Médio do Colégio ICJ participaram do MINIONU em sua 18º edição. Inicialmente, foram aos workshops, conduzidos por convidados especialistas e pessoas diretamente ligadas às temáticas discutidas. Na ocasião, puderam aprofundar seus conhecimentos nos temas pautados, complementando os conteúdos que seriam abordados nos debates.

Em seguida, participaram das discussões promovidas pelos comitês. Os temas abordados foram pensados e trabalhados em conjunto com diretores assistentes, voluntários e equipe de Coordenação. Entraram em pauta os Direitos Humanos, Direito Internacional, problemas de segurança e muitos outros, sendo que cada comitê incorporou um pouco de todos os setores do MINIONU. Os alunos ICJ participaram dos comitês de Imprensa, CSW 7, WCAR, UNODC, CDH, ACNUDH e OIT.

No Comitê de Imprensa, as alunas Dara Russo e Karla Sancher, ambas do 2º ano do Ensino Médio ICJ, participaram da cobertura jornalística do evento e auxiliaram na produção do jornal Primal Times, que circula com notícias e informações sobre os comitês. Elas realizaram duas publicações no jornal, que estão disponibilizadas em anexo*.

Dara sempre integra o Comitê de Imprensa da SIMICJ e, neste ano, teve a oportunidade de integrar o comitê do MINIONU. Ela relata que, mesmo em meio à correria e pressão do evento, vivenciou dias muito instrutivos. Karla, por não ter tido experiência nesse comitê durante a SIMICJ, considerou a experiência nova bem diferente, contudo, muito boa, e afirma ter aprendido várias coisas com o evento.

Já Gabriela Silva, do 1º ano, integrou o Comitê de Inglês, UNODC (2017), e achou tudo muito interessante, principalmente os temas abordados que são atuais e muitos deles, inclusive, abordados nas redações do Enem. Ela também ressalta que a circunstância estimula os envolvidos a “pensarem antes de falar”, visto que todo argumento pronunciado deve ser bem fundamentado e construído a partir de estudos sobre os países. Com isso, a aluna considera que, por assumir o lugar de uma nação, assume também um papel muito importante e de grande responsabilidade.

A participação no MINIONU auxiliou os alunos ICJ a desenvolverem a oratória, escrita, argumentação e os incentivou a se tornarem mais politizados. Além disso, com a proposta de interação, boa convivência e debates saudáveis, estimulou o respeito ao próximo, o estabelecimento de novos laços de amizade, a autoconfiança e, acima de tudo, desenvolveu uma forma de pensarem em si próprios como capazes de fazer a diferença no mundo.

Segue a lista completa de alunos participantes e os respectivos comitês que integraram:

1º ano

Julia de Melo – CSW 7 (1953) – Comissão sobre a Situação das Mulheres de 1953

Monique Emille – WCAR (2017) – Conferência Mundial Contra o Racismo de 2017

Gabriela Silva – UNODC (2017) – United Nations Office for Drugs and Crime 2017

Alice Parreiras – CDH (2017) – Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas de 2017

Gustavo Simões – ACNUDH (2017) – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos de 2017

Laura Leite – WCAR (2017) – Conferência Mundial Contra o Racismo de 2017

Stephanie Dapue – UNODC (2017) – United Nations Office for Drugs and Crime 2017

 

2º ano

Dara Russo – Comitê de Imprensa (Primal Times) / ECOSOC (2016) – Conselho Econômico e Social das Nações Unidas de 2018

Gabriel Mamed – ACNUDH (2017) – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos de 2017

Karla Sancher – Comitê de Imprensa (Primal Times) / ECOSOC (2016) – Conselho Econômico e Social das Nações Unidas de 2018

Rebeca Araujo – OIT (2017) – Organização Internacional do Trabalho de 2017

 

3º ano

Maria Victória (chefe de delegação) – OIT (2017) – Organização Internacional do Trabalho de 2017

Joao Victor Guerra Limões – UNODC (2017) – United Nations Office for Drugs and Crime 2017

 

Acesse galeria de fotos do evento: https://flic.kr/s/aHsm9EDVg8 

* Em anexo, as matérias das alunas que integraram o Comitê de Imprensa:

Resultados da OBR

No dia 06 de novembro, duas equipes de Robótica do ICJ viajaram para Curitiba, cidade onde participaram da etapa nacional da Olimpíada Brasileira de Robótica.

As equipes AGJ e THE LIFE PROJECT haviam se destacado na modalidade prática da etapa regional nas categorias 9º ano e Ensino Médio, respectivamente, e se classificaram para etapa nacional.

Em Curitiba, disputaram com outras escolas e mostraram muito empenho: dentre as 3.500 equipes participantes, ficaram com as 25ª e 55ª° colocações!

Por não terem chegado aos dez primeiros lugares da competição, não foram classificados para a Rodada Final. De qualquer forma, participaram da cerimônia de premiação na tarde desta sexta-feira, dia 10/11.

O Colégio se enche de orgulho, pois sabe que o time ICJ está entre os melhores do Brasil! Parabéns, equipe!!!

V Fórum de Jovens ICJ

O Fórum de Jovens é um tradicional evento do ICJ que visa promover um espaço de discussão sobre temas relevantes em diversos segmentos.

Na ocasião, alunos do 9º ano e Ensino Médio têm a oportunidade de aprender e extrapolar conteúdos que os despertam interesse a partir da participação em palestras, mesas redondas e oficinas ministradas por profissionais dos ramos selecionados, professores do Colégio e até mesmo pelos próprios estudantes.

A edição de número 5, que aconteceu nos dias 19 e 20 de outubro deste ano, contou com a presença de convidados importantes e uma intensa participação dos alunos! As temáticas abordadas giraram entorno de questões pertinentes à própria juventude, como o estudo, a tomada de decisão, o consumo consciente, a sexualidade, as drogas e o álcool. Também foram tratados assuntos voltados para o empreendedorismo e a importância da ética para uma carreira profissional de sucesso; a Revolução Digital, consciência tecnológica e manipulação as mídia; os conflitos mundiais e a cultura, abarcando fotografia, teatro, música, releitura de poemas, literatura, movimentos rítmicos, gamelab, yoga.

Assim, além de socializar informações e experiências, os estudantes puderam colocar em prática a arte de inventar, usar a criatividade, criar e participar de situações nas quais expressaram suas aspirações, sentimentos e o modo como veem a vida!

Confira as fotos: https://flic.kr/s/aHsm7rDu3T

Educação Financeira na sala de aula e no dia a dia

Segundo estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)*, mais da metade dos alunos brasileiros na faixa etária de 15 anos não possui conhecimentos básicos sobre como lidar com dinheiro no cotidiano.

Esse dado foi comprovado pelo teste “Cultura Financeira dos Estudantes” realizado no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Os resultados divulgados no final de 2016 evidenciam que 53% dos alunos brasileiros ficaram abaixo do nível de conhecimentos financeiros mínimos, ou seja, não são capazes de enfrentar situações financeiras diárias para tomar decisões. Além disso, somente 3% dos estudantes se mostraram aptos para lidar com questões financeiras mais complexas.

Em um âmbito geral, o Brasil ficou com o título do pior entre os 15 países ou províncias de economias analisadas no estudo.

Diante desse cenário alarmante, o ICJ se empenha em formar alunos com uma consciência crítica acerca da influência do dinheiro na vida do ser humano, visto que esse é um diferencial extremamente valorizado no mundo de hoje.

Um dos projetos de mediação da aprendizagem do Colégio voltado para esse aspecto é a disciplina de Educação Financeira, ministrada para alunos do 5º ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. O trabalho é desenvolvido por meio de discussões e exemplos práticos baseados na realidade cotidiana dos alunos.

No 5º ano, o projeto insere-se dentro das aulas de Matemática e propõe uma reflexão voltada para hábitos de consumo. Já no Ensino Médio, os conteúdos giram entorno da situação econômica do país, abarcando medidas viáveis para estimular a economia brasileira.

Dessa forma, ICJ incentiva que os estudantes reflitam sobre um futuro financeiro saudável, com planejamento e orientação, para que possam tomar decisões de modo autônomo e responsável, além de multiplicarem conhecimentos e condutas sobre o tema junto aos seus familiares.

* Confira a reportagem em: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-40081292

A importância do aprender fazendo

O Colégio ICJ adota uma proposta pedagógica pautada no “aprender fazendo”. Isso se traduz pela valorização de pesquisas, experimentos, descobertas e estudos dos meios social e natural.

Nas aulas de Ciências do Fundamental I, por exemplo, não faltam experiências! São realizadas várias atividades práticas no laboratório para que as turmas possam conhecer mais sobre as bactérias, a função das penas das aves e até mesmo a importância da reciclagem de papel!

Já para aprenderem sobre o sistema monetário, os alunos 1º ano simularam, juntamente com a professora Débora, um mercadinho no qual puderam entender as médias de preço relativas a cada produto.

Para o Fundamental II e Ensino Médio, as disciplinas ministradas também são exemplos de fomento à cultura maker. Nas aulas de Química, a professora Cristina orientou os alunos do 9º ano a construírem uma mini ETA (Estação de Tratamento de Água). Com isso, evidenciou a aplicabilidade do conteúdo ensinado, tornando a aprendizagem mais significativa.

E em Educação Financeira, os alunos do 2º ano do Ensino Médio criaram projetos de empreendedorismo a partir da estruturação de empresas criativas nas áreas de cosméticos, aplicativos, filtros de água, sites, etc.

No ICJ grande parte do conhecimento é construída a partir de experiências, promovendo maior engajamento por parte dos estudantes e melhores resultados em sua aprendizagem!

 

Mostra Científica e Tecnológica Fund II e Médio

No sábado, dia 26/08, aconteceu no Colégio a 1ª Mostra Científica e Tecnológica do Fundamental II e Ensino Médio. A partir de muita dedicação e criatividade, os alunos ICJ colocaram em prática todo conhecimento adquirido em sala de aula e puderam explorar novas áreas de pesquisa que os despertavam interesse. Pedro Marcos Siqueira, do 2º ano do Ensino Médio, relata que foram semanas e semanas providenciando uma solução para cada detalhe, para que tudo saísse perfeito.

As turmas de 6º, 7º e 8º anos apresentaram diversos projetos interdisciplinares e, segundo a Coordenadora Junia Albuquerque, houve muita sintonia na elaboração dos trabalhos. O 6º ano abordou a temática da astronomia em exposições sobre os corpos do sistema solar, os equipamentos espaciais e os astrônomos importantes na história. Já o 7º ano estruturou stands com os temas alimentação, transporte, comunicação, moradia e vestuário, explorando suas diversas abordagens. O 8º ano teve ênfase na tecnologia: produziram a oficina interativa Matrix e realizaram apresentações sobre a criação de programas e os riscos e benefícios da internet.

Já os alunos do 9º ano e Ensino Médio trabalharam temáticas vinculadas às diferentes disciplinas do Colégio. Na abertura do evento, o 3º ano apresentou teatros e danças sobre a evolução do homem, com painéis e figurinos produzidos pelos próprios alunos. No decorrer da feira, alguns dos projetos apresentados foram: o “Circo da Química, o grande espetáculo da terra”; “Melogia”; “Reciclart embalagens de papel reciclado”; “Pão Beer, o pão feito com bagaço de cerveja”, “Preservius Cosméticos, batom de beterraba e máscaras faciais”, “Memorial da tecnologia, do elétrico ao eletrônico”, “Anima-ção: uma breve história do cinema” e o “Museu interativo II Guerra” que contou com incríveis objetos e explicações acerca do contexto da época. Havia, ainda, stands de leituras de contos, Robótica e programação, trabalhos sobre os sentidos do corpo humano, os efeitos da osmose, estratégias de economia e consumo consciente, além de exposições de belos quadros pintados com argila.

O resultado da Mostra não poderia ter sido mais surpreendente. Pedro Marcos fala em nome de todos os envolvidos quando afirma que saiu dessa experiência com a certeza de que todos são capazes de ir muito além. O evento foi espetacular e, com certeza, encantou a todos que participaram!

A galeria de fotos do evento está disponível em: https://flic.kr/s/aHsm3LNtgf 

Resultados da OBR

Nos dias 19 e 20 deste mês, São João Del Rey sediou a Etapa Regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). Oito equipes do ICJ participaram da modalidade prática e se destacaram nas disputas com robôs. No sábado, equipes do 9º ano competiram no nível 1 e deram um show: os alunos integrantes dos grupos RTJ, AGJ e UMBRELLA  alcançaram os 2º, 3º e 4º lugares, respectivamente. E, no domingo, a participação do Ensino Médio no nível 2 não deixou a desejar. A equipe THE HAC ficou com a 6ª colocação e a turma do THE LIFE PROJECT conquistou o tão desejado 1º lugar!

Para Pablo Carvalho, assistente da Robótica, esse brilhante resultado reflete um trabalho que vem sendo desenvolvido desde abril. Os cinco meses de dedicação dos alunos culminaram na classificação das 5 equipes para a Etapa Estadual da OBR, dia 16 de setembro, no Cefet. Agora se iniciará uma intensa preparação para a próxima fase!

Parabéns, pessoal, vocês são demais!!!

Veja as imagens da participação do ICJ na OBR: https://flic.kr/s/aHsm3ngQB1 

Curso de lógica de programação

A Revolução Digital, iniciada no século XX, deu origem a uma nova era; a era da informação compartilhada. Diante da popularização da internet e das mídias sociais, a maioria das pessoas passou a dividir seu tempo entre o mundo on e off-line, mas poucas delas sabem o que está por trás da Tecnologia da Informação.

O professor de História do Colégio ICJ, Frederico Silva Perpetuo, que é apaixonado por tecnologia, percebeu essa lacuna no aprendizado dos alunos. Ele é proprietário fundador da empresa Matrix out, especializada em educação tecnológica de jovens e adolescentes, e atualmente está realizando uma graduação em Ciência da Computação pela Universidade FUMEC.

Segundo ele, o conhecimento do que está por trás da Tecnologia da Informação é essencial para garantir o desenvolvimento das habilidades de crianças e adolescentes, preparando-os para a vida social, pessoal e profissional. Para isso, é de grande relevância os alunos estudarem a programação de computadores que, em suas palavras, “nada mais é do que a escrita de códigos em uma linguagem específica, dotada de regras lógicas e sintáticas próprias, que tem por objetivo definir instruções para que os computadores realizem as mais diversas tarefas”.

Com o intuito de capacitar os estudantes a compreenderem as regras da programação e desenvolver o raciocínio lógico voltado para a resolução de problemas computacionais, a empresa Matrix out, em parceria com o ICJ, irá ofertar um curso de lógica de programação para alunos do 9º ano e Ensino Médio do Colégio. O curso contextualizará os estudantes acerca do momento histórico, social e cultural em que vivem e irá potencializar o desenvolvimento do raciocínio lógico, da organização, da habilidade de comunicação, da criatividade e da capacidade de lidar com situações adversas.

Haverá uma aula experimental amanhã, dia 23, às 13h, para que os alunos possam conhecer a estrutura das aulas. Os interessados em ingressar no curso, que tem duração de 8 meses, deverão efetuar a matrícula até o dia 31/08 na tesouraria do ICJ. As aulas terão início dia 06/09 e acontecerão todas as quartas-feiras, de 13h às 14h30. O valor da mensalidade consiste em oito parcelas de R$ 250,00 e, do material, em oito parcelas de R$ 20,00.

Não fique de fora dessa oportunidade!!!

Confira mais informações em: Projeto Matrix

A importância do bilinguismo

O mundo de hoje é caracterizado como plural e intercontinental, aspecto que impulsiona a necessidade da formação de indivíduos globais. Nesse contexto, emerge uma demanda considerada imprescindível para encarar este novo tempo: o domínio de uma ou mais línguas, além da língua materna.

No Colégio ICJ, estudantes do Ensino Médio, que já possuem esse diferencial, contam um pouquinho de suas histórias, vivências e opiniões.

Dara Carolina Ferreira Russo, aluna do 2º ano, acredita que aprender outro idioma é de extrema importância, especialmente na sociedade atual. Victória Regina, do 1° ano, explica que a importância de se tornar fluente em um ou mais idiomas decorre do fato de vivermos em um mundo integrado econômica, social, cultural e politicamente. Ela afirma que quem tem fluência em outros idiomas é beneficiado no mercado de trabalho e na vida com mais oportunidades e experiências. Gabriela Silva Medeiros, do 1º ano, diz que aprender uma segunda língua torna as pessoas livres para conhecerem novos lugares e culturas, abrindo as portas do mundo no lado profissional e pessoal. Rodrigo Maia, do 3º ano, concorda com o ponto de vista das colegas e enfatiza a importância da língua inglesa. Para ele, o inglês, considerado língua universal, é um pré-requisito para o mercado de trabalho.

O inglês é a língua oficial da contemporaneidade, fundamental nos negócios, estudos, viagens e na comunicação. O mundo não é mais do mesmo tamanho para quem não domina o inglês! A fluência nesse idioma é tão relevante que deixou de ser um diferencial na formação dos estudantes e passou a ser o mínimo exigido em seus currículos!

Rebeca Araújo De Melo Castro, do 2º ano, sentiu na pele essa mudança. Ela alcançou o nível avançado no inglês, mas não se conteve, e buscou se destacar em outras línguas. Hoje, ela também é fluente em espanhol e cursa francês. Gabriela Silva segue o mesmo caminho: fala com desenvoltura inglês e espanhol e agora dedica-se ao francês. Victória Regina não fica para trás, fluente em inglês, aprende atualmente francês, espanhol e coreano.

Um aspecto relevante nas falas dos alunos é a forte influência da cultura no processo de aprendizagem de outro idioma. Para a maioria, acompanhar filmes, séries e músicas foi um estímulo fundamental para desenvolver a oralidade, principalmente do inglês. Outros pilares que os auxiliaram foram as aulas de Inglês do Colégio e de Escolas de Idiomas, onde puderam aprofundar seus conhecimentos.

Esse cenário impulsionou a decisão do ICJ em aderir, em 2017, à Educação Bilíngue com o intuito de fornecer uma base consolidada de ensino da língua inglesa a partir de um modelo pedagógico no qual o idioma é inserido no contexto dos conteúdos curriculares.

Outro ponto de destaque nos depoimentos, que corrobora com a adesão da Educação Bilíngue no ICJ a partir da Educação Infantil, foi o fato de muitos dos alunos do Ensino Médio relatarem que o interesse pela língua estrangeira surgiu ainda quando eram crianças. Dara Carolina contou que estuda Inglês há quase dez anos e, desde muito nova, sempre se interessou por outras línguas, especialmente pela inglesa devido às músicas e filmes de que gostava. Rodrigo Gonçalves diz que também se interessou cedo por outras línguas e, quando era pequeno, já gostava de assistir a filmes legendados, sendo que sua curiosidade foi crescendo à medida que se deu conta da imensidão do mundo.

Não restam dúvidas sobre a importância de se formar alunos que dominem uma segunda língua, principalmente quando se trata do inglês. Esse é o propósito do ICJ ao trabalhar um modelo de ensino eficiente capaz de preparar os estudantes para múltiplas escolhas na vida e propiciar que se destaquem diante das imposições do mundo contemporâneo.

Olimpíada Brasileira de Robótica

A Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) é uma olimpíada científica brasileira que objetiva estimular os jovens às carreiras científico-tecnológicas, identificar novos talentosos e promover debates e avanços na área.

A OBR possui duas modalidades: a prática consiste em competições com robôs e a teórica baseia-se em provas aplicadas em todo o Brasil. Na edição deste ano, alunos do ICJ estão participando das duas modalidades.

As turmas do 9º ano e Ensino Médio ICJ realizaram as provas teóricas dos níveis 4 e 5, respectivamente. No 9º ano, os estudantes Lucas Machado Miranda e Júlia Mérece Lima Chaves se destacaram e ganharam medalhas de prata. Já no Ensino Médio, Alice Parreiras Campos, do 1º ano, e Henrique Pereira Cristófaro, do 2º, se classificaram para segunda fase da olimpíada.

A modalidade prática irá acontecer nos dias 19 e 20 deste mês, em São João Del Rey, e contará com a participação de 8 equipes ICJ, sendo 5 do 9º ano e 3 do Médio. Objetivando alcançar melhores resultados na competição, as equipes denominadas LSZ, AGJ, RTJ, UMBRELLA e The Access, participaram esta semana do “Torneio Interno preparatório para OBR”, realizado no próprio Colégio. A atividade contou com o apoio dos alunos fundadores da startup The Life Project e do assistente de Robótica, Pablo Carvalho. Segundo Pablo, “o intuito do Torneio Interno é a preparação dos alunos para Etapa Regional da Olimpíada Brasileira de Robótica. Dessa forma, eles vão para o torneio com uma pressão a menos, já entendendo como funciona o andamento da Etapa Regional. É uma experiência a mais para nossas equipes!” Agora, resta realizar os últimos ajustes e seguir para a Regional.

O Colégio parabeniza os alunos que obtiveram bons resultados nas provas e deseja boa sorte aos que ainda irão realizar as atividades da OBR!!!

Confira as imagens em https://flic.kr/s/aHsm6NBD5v