Mostra de Artes da Educação Infantil

No dia 25/11, sábado, aconteceu no ICJ a Mostra de Artes da Educação Infantil. Os alunos expuseram para os familiares e demais colegas o resultado do trabalho que vem sendo desenvolvido ao decorrer do ano com o projeto Crianças de Todo o Mundo.

Cada turma organizou exposições com o que havia produzido nas aulas e decorou a sala com aspectos típicos das localidades estudadas.

O Maternal II, com o auxílio das professoras, confeccionou, com material reciclado, um forno de papelão recoberto com barro, uma gôndula, a Torre de Pisa e enfeites com caixas de pizza em referência à Itália.

Já o Maternal III, que estudou o Japão, decorou a sala com um tatame, um dragão japonês, peças de origami e os robôs cedidos por Pablo, orientador de Robótica do Colégio. A outra turminha de Maternal III realizou a exposição com a temática da Austrália, contando com um criativo painel sobre barreira de corais, mascotes confeccionados pelas famílias e a degustação do pão australiano damper.

O 1º período, que abordou a Índia, produziu colares, pulseiras e sandálias indianas, uma representação do Tuk Tuk e um delicioso biscoito indiano. E com a professora de Inglês, trouxeram para dentro de sala o clima dos Estados Unidos, mais especificamente de Nova Iorque, com pontos turísticos como a Estátua da Liberdade, Wall Street, Central Park, Brodway e Times Square.

O 2º período que expôs sobre a África apresentou a vida selvagem do continente a partir de representações de animais como leão, elefante, girafa, macacos e rinocerontes, além de almofadas e quadros decorados com a imagem de tais bichos. Com a proposta das aulas de Inglês, abordaram a Inglaterra, com ênfase em Londres e suas peculiaridades: o Big Bang, a Torre de Londres, os guardas da rainha e a hora do chá. A turminha da manhã, por sua vez, retratou o Polo Sul e transformou a sala com uma simulação de neve, um trenó, pinguins e bonecos de neve!

Confira a galeria de fotos: https://flic.kr/s/aHsmb3QVDR

Festa de Halloween da Educação Infantil

Nesta terça-feira, dia 31 de outubro, as turminhas de 1º e 2º períodos participaram de uma animada festa de Halloween no Colégio!

A comemoração, que fez parte da proposta bilíngue do ICJ, objetivou enriquecer o vocabulário dos alunos, em sua oralidade, e promover a diversidade cultural.

As crianças vieram para escola caracterizadas com criativas fantasias e desenvolveram atividades típicas do evento!

A turma da manhã visitou as salas dos colegas com o tradicional pedido de “gostosuras ou travessuras”, ou melhor, “trick or treat” e, ao final, escutaram uma história da Bruxinha Boa contada pela bibliotecária Mônica.

Já os alunos da tarde assistiram a um vídeo musical com a temática de Halloween, prepararam uma poção mágica com a ajuda da professora e disputaram uma agitada gincana com brincadeiras como a corrida da “aranha na colher”. Além disso, os pequenos também se divertiram muito percorrendo as salas do Colégio a procura de doces.

Foi um dia especial, repleto de alegria e conhecimentos sobre a popular celebração norte-americana!

Confira a galeria de fotos: https://flic.kr/s/aHskwamwh2

1º período visita o Zoológico

No dia 17/10, a turma do 1º período da Educação Infantil fez uma visita ao Jardim Zoológico de BH como parte da proposta de Educação Bilíngue do Colégio.

O Zoo, que possui mais de 58 anos de história, abriga aproximadamente três mil animais, entre aves, répteis, mamíferos, anfíbios e peixes presentes nos cinco continentes do mundo.

São 250 espécies que chamam atenção pela diversidade que apresentam: grandes, pequenas, coloridas e com características bem singulares.

Os alunos chegaram a ver os elefantes, rinocerontes, gorilas com seus filhotes, gatos selvagens e muitos outros bichos. A partir disso, puderam não só relembrar, mas também aprender novos nomes de animais em inglês, ampliando o vocabulário que possuem na língua estrangeira.

Para fechar a atividade, as crianças fizeram um piquenique no qual compartilharam com os colegas todo o conhecimento adquirido!

Equipe ICJ participa de evento sobre bilinguismo

A equipe ICJ busca estar sempre antenada às novidades no âmbito escolar para atuar de maneira cada vez mais assertiva!

Para isso, os colaboradores do Colégio estão constantemente participando de eventos educacionais relevantes com o intuito de se atualizarem acerca dos avanços na área.

No dia 06 de outubro, a Coordenadora da Educação Infantil, Edith Zandona, e as professoras de Inglês Mrs. Lelê, Miss Jéssica e Teachear Ludmila participaram do workshop “Sua Escola Bilíngue”, promovido pela Cultura Inglesa. O evento, que consistiu em uma assessoria Pedagógica para Programas Bilíngues, abordou a implantação do sistema bilíngue nas escolas e contou com a apresentação de profissionais e empresas de renome.

Dessa forma, a proposta de Educação Bilíngue ICJ vem se consolidando e os profissionais do Colégio aprimorando suas performances!

É o ICJ trazendo o que há de melhor e mais inovador para os alunos!!!

A importância do bilinguismo

O mundo de hoje é caracterizado como plural e intercontinental, aspecto que impulsiona a necessidade da formação de indivíduos globais. Nesse contexto, emerge uma demanda considerada imprescindível para encarar este novo tempo: o domínio de uma ou mais línguas, além da língua materna.

No Colégio ICJ, estudantes do Ensino Médio, que já possuem esse diferencial, contam um pouquinho de suas histórias, vivências e opiniões.

Dara Carolina Ferreira Russo, aluna do 2º ano, acredita que aprender outro idioma é de extrema importância, especialmente na sociedade atual. Victória Regina, do 1° ano, explica que a importância de se tornar fluente em um ou mais idiomas decorre do fato de vivermos em um mundo integrado econômica, social, cultural e politicamente. Ela afirma que quem tem fluência em outros idiomas é beneficiado no mercado de trabalho e na vida com mais oportunidades e experiências. Gabriela Silva Medeiros, do 1º ano, diz que aprender uma segunda língua torna as pessoas livres para conhecerem novos lugares e culturas, abrindo as portas do mundo no lado profissional e pessoal. Rodrigo Maia, do 3º ano, concorda com o ponto de vista das colegas e enfatiza a importância da língua inglesa. Para ele, o inglês, considerado língua universal, é um pré-requisito para o mercado de trabalho.

O inglês é a língua oficial da contemporaneidade, fundamental nos negócios, estudos, viagens e na comunicação. O mundo não é mais do mesmo tamanho para quem não domina o inglês! A fluência nesse idioma é tão relevante que deixou de ser um diferencial na formação dos estudantes e passou a ser o mínimo exigido em seus currículos!

Rebeca Araújo De Melo Castro, do 2º ano, sentiu na pele essa mudança. Ela alcançou o nível avançado no inglês, mas não se conteve, e buscou se destacar em outras línguas. Hoje, ela também é fluente em espanhol e cursa francês. Gabriela Silva segue o mesmo caminho: fala com desenvoltura inglês e espanhol e agora dedica-se ao francês. Victória Regina não fica para trás, fluente em inglês, aprende atualmente francês, espanhol e coreano.

Um aspecto relevante nas falas dos alunos é a forte influência da cultura no processo de aprendizagem de outro idioma. Para a maioria, acompanhar filmes, séries e músicas foi um estímulo fundamental para desenvolver a oralidade, principalmente do inglês. Outros pilares que os auxiliaram foram as aulas de Inglês do Colégio e de Escolas de Idiomas, onde puderam aprofundar seus conhecimentos.

Esse cenário impulsionou a decisão do ICJ em aderir, em 2017, à Educação Bilíngue com o intuito de fornecer uma base consolidada de ensino da língua inglesa a partir de um modelo pedagógico no qual o idioma é inserido no contexto dos conteúdos curriculares.

Outro ponto de destaque nos depoimentos, que corrobora com a adesão da Educação Bilíngue no ICJ a partir da Educação Infantil, foi o fato de muitos dos alunos do Ensino Médio relatarem que o interesse pela língua estrangeira surgiu ainda quando eram crianças. Dara Carolina contou que estuda Inglês há quase dez anos e, desde muito nova, sempre se interessou por outras línguas, especialmente pela inglesa devido às músicas e filmes de que gostava. Rodrigo Gonçalves diz que também se interessou cedo por outras línguas e, quando era pequeno, já gostava de assistir a filmes legendados, sendo que sua curiosidade foi crescendo à medida que se deu conta da imensidão do mundo.

Não restam dúvidas sobre a importância de se formar alunos que dominem uma segunda língua, principalmente quando se trata do inglês. Esse é o propósito do ICJ ao trabalhar um modelo de ensino eficiente capaz de preparar os estudantes para múltiplas escolhas na vida e propiciar que se destaquem diante das imposições do mundo contemporâneo.

Bilinguismo – o ensino através da língua

O Inglês é a língua oficial da contemporaneidade, presente em todos os âmbitos de nossa convivência. Entretanto, ainda é muito baixo o percentual de brasileiros que o dominam em contraste com a grande demanda por indivíduos fluentes.

Para mudar essa realidade, se estabeleceram no Brasil três formatos de escolas com diferentes modelos para o ensino de línguas estrangeiras, oficialmente reconhecidos pelos órgãos responsáveis, que determinam as diretrizes do ensino: Escola de Línguas, Escola Internacional e Educação Bilíngue.

A Escola de Línguas surgiu na década de 70 para suprir o inglês que não era aprendido nas escolas regulares.  A Escola de Línguas, como o nome diz, é um espaço para se aprender a língua estrangeira desejada através do estudo da estrutura gramatical e muita repetição.

Já a Escola Internacional é vinculada a um determinado país e todo o conteúdo da grade curricular é aprendido na língua estrangeira. As disciplinas, o calendário, a filosofia e o certificado também são alinhados nesse contexto às diretrizes desse país. No Brasil, essas escolas não precisam seguir a Lei de Diretrizes e Base (LDB) nem a determinação do MEC.

A Educação Bilíngue propõe um modelo onde o aluno aprende através da experiência. É uma forma, um caminho, um meio, e não um conteúdo usado sem conexão com o mundo real. Por isso é possível entregar aos alunos informações e conhecimentos através da interação social. O sujeito bilíngue é uma pessoa capaz de interagir e se socializar nas duas línguas. Isso não é uma mudança e sim uma inovação.

Em 2017, o ICJ optou pela Educação Bilíngue iniciando-a nos 1º e 2º períodos do ensino infantil. Estudos revelam que crianças têm uma maior plasticidade cerebral e estão mais receptivas à nova linguagem, tornando mais fácil a assimilação dos sons e da pronúncia pela simultaneidade do aprendizado da língua materna e da segunda língua, língua adicional, de forma suave e lúdica para se alcançar o melhor resultado.

Assim, a Educação Bilíngue foi implantada para os pequenos do ICJ com 50% da grade ministrada em inglês. Em 2018, o Colégio avança com a proposta para o 1º ano do Ensino Fundamental com ampliação da carga horária do Inglês para três aulas semanais de 60 minutos cada. A expectativa do Colégio é que o avanço do bilinguismo, para os anos subsequentes, aconteça de forma gradativa e anual.

O sucesso depende de ações pedagógicas e administrativas garantidas pelo ICJ:

– espaço físico (sala de aula) específico para se trabalhar cada língua;

– ambientação adequada;

– tempo destinado a cada língua;

– professores capacitados;

– matérias conduzidas em português e inglês;

– interdisciplinaridade dos conteúdos aprendidos nas aulas de Ciências, História e Geografia.

Ao implantar a Educação Bilíngue, o ICJ demonstra, mais uma vez, sua vocação inovadora antecipando, com responsabilidade, ações pedagógicas que trarão a seus alunos um diferencial mercadológico aumentando possibilidades de empregabilidade e continuidade dos estudos.

Educação Bilíngue avança para Fundamental I

Na segunda-feira, dia 03 de julho, Christina Fabel, Diretora de Ensino do ICJ, se reuniu com pais dos alunos do 2º período da Educação Infantil do ICJ para formalizar as mudanças que entrarão em vigência no próximo ano. Christina falou sobre a importância da língua estrangeira em nossas vidas e anunciou as novidades que serão adotadas pelo Colégio.

Em 2018, na Educação Infantil, a estrutura da Educação Bilíngue será mantida com a carga horária de 2 horas de aulas em Inglês e 2 horas de aulas em Português, ou seja, assim como em 2017, 50% da grade será ministrada na língua estrangeira. Para realização de tais aulas, os alunos migram para espaços distintos, visto que o Colégio adota salas temáticas para o Inglês. Nessas aulas, o inglês é inserido no dia a dia dos alunos com projetos integrados como um reforço dos conteúdos das aulas de Português, que tratam de contextos reais, propiciando um significado ao que é ensinado.

A novidade é que o ICJ irá inserir uma proposta de ensino semelhante para a Educação Bilíngue no 1º ano do Ensino Fundamental. Atualmente, o Colégio oferece uma hora de aula de Inglês por semana e, no próximo ano, a carga horária será ampliada para 3 aulas de Inglês de 60 minutos por semana. Com isso, objetiva-se trazer parte dos conteúdos curriculares aprendidos em Português para as aulas de Inglês, criando, dentro da grade dos alunos, uma interdisciplinaridade.

A parceria que o ICJ possui com o Greenwich Schools também irá se estender para os alunos do 1º ano do Fundamental I. Na reunião de pais, Helga Nelken, Diretora Pedagógica do Centro de Ensino de Língua Inglesa, falou um pouco do que a assessoria do Greenwich Schools vem fazendo desde 2017 no ICJ. Segundo ela, o Centro de Ensino de Língua Inglesa possui professores treinados e com alto nível de conhecimento, que aderem um modelo de ensino processual que propicia que o aluno goste de aprender. Nesse processo, a inserção do lúdico e do “aprender fazendo” é fundamental para o ensino! Com isso, a criança cria mais proximidade com a língua e maior liberdade para aventurar-se no novo idioma, fazendo com que naturalmente adquira automatismos.

O Greenwich Schools segue a filosofia da Universidade de Cambrige, que estabelece diferentes níveis de aprendizado que vão do A1, para iniciantes, até o C2, que é o mais alto e exigente. Em cada nível, a Cambridge English desenvolve provas que nivelam e certificam o conhecimento dos alunos, sendo que as duas primeiras avaliações não têm reprovação, mas sim um termômetro do quanto o aluno se desenvolveu no nível. Tais provas também serão disponibilizadas para alunos do ICJ. A ideia é que o aluno seja preparado a partir dos 4 anos para que já possa fazer os exames entre 7 e 9 anos.